Home | Fale Conosco   Cadastre-se         

NOTÍCIAS

Livro do jornalista J. Carlos de Assis denuncia crime ambiental do Grupo Votorantim, no segundo ano de condenação da empresa por envenenamento de animais em Minas

Data da notícia: 04/10/2002

Para lembrar o segundo ano de condenação da CMM-Companhia Mineira de Metais por envenenamento de animais no Município de Vazante, MG, o site Ecodenúncia disponibilizará, a partir deste mês de outubro, para leitura e cópia, a íntegra do texto do livro escrito pelo jornalista José Carlos de Assis sobre o assunto.

A obra-denúncia Crateras da cobiça – Desastre ambiental provocado pela mineração subterrânea de zinco em Vazante, segundo o seu autor, “detalha o crime gigantesco contra a natureza, sob a vista complacente dos poderes públicos, dos órgãos de controle ambiental, em nível municipal, estadual e federal, e da mídia”.

“O poderoso Grupo Votorantin”, acrescenta Assis, “é o responsável por tudo, o que explica essa omissão vergonhosa, principalmente por parte das autoridades, diante do persistente desastre, que também já matou pessoas”.

O jornalista explica que o problema se originou do fato de ter o empreendimento da Votorantin se defrontado com imenso aqüífero subterrâneo, que exige da CMM o bombeamento de milhões de litros de água, continuamente, para a superfície. “Como se trata de região de calcário”, prossegue Assis, “centenas de dolinas, que são crateras com até 30 metros de largura, estão surgindo em fazendas e próximo da zona urbana, com crescente risco para a vida humana e animal. A atividade mineradora subterrânea também é reponsável pela poluição dos córregos e rios, secamento de nascentes, poços de água e lagoas, além de desmoronamento de grutas. Devemos pressionar as autoridades para que a situação seja revertida, imediatamente”.

A comunidade e os proprietários de terras do município mineiro de Vazante, Minas Gerais, estão na expectativa de que, ainda em 2002, aconteça a definição da ação ordinária, transitado em julgado, no Superior Tribunal de Justiça, que condenou, em setembro de 2000, a CMM a indenizar os produtores rurais da localidade, donos de centenas de animais, principalmente bovinos, que morreram por envenenamento devido ao lançamento de rejeitos altamente poluentes diretamente no ar, causado pela atividade de mineração da empresa. A ação foi movida por diversos fazendeiros, em sua maioria gente simples e de posses modestas, liderados pelo Sr. Bertoldo Antônio Rosa. Todos eles perderam animais,

A condenação aconteceu no Juízo da Comarca de Vazante, confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça, cujo despacho final diz o seguinte: “As mortes, sem sombra de dúvidas, ocorreram em razão da ingestão do material tóxico expedido pela fábrica da suplicada, que não se desincumbiu de comprovar o contrário; restam, pois, configurados os elementos ensejadores da indenização, por aplicação do determinado pelo Artigo 159 do CC; a ação ilícita é formada pela negligência quanto à disseminação de poluentes na região; as mortes decorreram em razão do envenenamento dos animais por estas substâncias, advindo, daí, os prejuízos dos produtores rurais trazidos com a inicial e da copiosa prova testemunhal, não refutadas pela recorrente” (fls. 300/301-TA).

O livro
O interessado em comprar exemplar impresso de Crateras da cobiça – Desastre ambiental provocado pela mineração subterrânea de zinco em Vazante pode reservá-lo com antecipadamente, enviando e-mail para este site, com nome completo e endereço. O preço do livro será R$ 10 mais a tarifa de remessa pelo Correio.

Ecodenuncia.org 2009
Denuncia do Crime Ambiental em Vazante MG